Profissão em destaque: zootecnia para o bem-estar animal

08/03/2014 16:41

Concursos e Empregos

Logo Portal O POVO Online

Nutrição e reprodução animal são os principais campos de atuação deste profissional. Todavia, eles também cuidam do bem-estar e reabilitação no mundo animal

Habilidade com os animais costuma ser o principal fator de escolha pela carreira de zootecnista. Dentre as áreas de atuação, o manejo reprodutivo e a alimentação de animais voltados para produção e consumo são as que demandam mais profissionais. Entretanto, eles ainda podem atuar na reabilitação de animais silvestres, cuidado de PETs (cães e gatos), administração de fazendas, pesquisa e ainda na carreira acadêmica.



Diferente da medicina veterinária, os zootecnistas não clinicam nem realizam operações incisivas. Eles atuam na prevenção de efemeridades, com a prática do bem-estar, cuidados na alimentação e saúde do animal. Controlando desde as condições climáticas ideais do ambiente até a qualidade do armazenamento de alimentos destinados aos bichos.

Segundo Germano do Nascimento, professor do curso de Zootecnia da Universidade Federal do Ceará (UFC), “O zootecnista trabalha com avaliação genética de rebanho, selecionando animais para reprodução; também com a pesquisa de necessidades nutricionais e armazenamento dos produtos. Na parte de bem-estar, verifica as formas adequadas de abate. Pode trabalhar na administração das fazendas, acompanhando desde as vendas de animais até a organização da produção animal e ainda em atividade de campo, pesquisando novos produtos que possam ser utilizados na alimentação”.


Mercado e formação

No Ceará, conforme Germano, a produção de caprinos e ovinos, além da apicultura e piscicultura compõem o campo de atuação mais forte na iniciativa privada. “Nós trabalhamos com projeções futuras para consumo e exportações. Conforme o crescimento do mercado, se estiver aquecido, por exemplo, a gente dá esse suporte”. O salário inicial de um zootecnista pode chegar até três mil reais.

Antes de se profissionalizar, todavia, os estudantes da graduação devem investir no aprendizado em informática, línguas, e também das ciências exatas, como matemática e física, como orienta o zootecnista e também professor da UFC, Pedro Watanabe. Segundo ele, um conflito passado pelos estudantes deve-se a falta de contato com o universo rural. “Grande parte dos estudantes moram na cidade, que é muito urbana, e tem pouco contatos com os animais, com a realidade rural. Eles desconhecem o que é produzido hoje”. A graduação leva em média cinco anos. Na UFC, o curso de zootecnia está entre os melhores do País, recebendo cinco estrelas - nota máxima - no Guia do Estudante.

EM BAIXA: VALORIZAÇÃO
Por outro lado, os zootecnistas ainda não são muito conhecidos nas fazendas. Os profissionais lutam por um conselho próprio e pela divulgação da importância da atividade

EM ALTA: PROFISSÃO NOVA
O curso de zootecnia da UFC tem apenas 12 anos. Os profissionais estão se especializando e galgando espaços na produção de animais

Saiba mais: Conselho de Zootecnia
Segundo Germano do Nascimento, professor do curso de Zootecnia da UFC, os profissionais da área ainda não tem conselho específico, estando vinculados ao Conselho de Medicina Veterinária. Um projeto de lei tramita no Congresso para a criação de um conselho federal e regional para os zootecnistas.

Bate-papo com o leitor: Maira Ferraz, zootecnista 

Maira é zootecnista formada pelo Universidade Federal do Ceará. Ela é uma das primeiras profissionais do estado a trabalhar na reabilitação de animais silvestres.

OP- Porque escolheu essa carreira?

MF- A minha vida inteiro eu tinha certeza que ia trabalhar com bichos. O que me fez decidir por não fazer veterinária foi o sangue frio que eu não teria para tratar doenças e cirurgias. No começo da zootecnia, pensei em trabalhar com bem-estar de animais para a produção, minimizando estresses e danos causados a eles. Isso até conhecer a área de reabilitação dos animais silvestres.
 

OP- Com que dificuldades você se deparou?

MF- A principal é financeira. A gente tem uma demanda muito grande, cerca de 500 animais por mês, de todas as espécies. Quando tem que pensar em alimentação, remédio, acomodação, ambientação para todos eles fica complicado. 

 

OP- Como você enxerga o mercado local?

MF- Pensando na área de produção, este é um mercado bem mais abrangente. Até pouco tempo não se conhecia a profissão. Mas agora os produtores começam a entender a importância do zootecnista através de resultados melhores.