Zootecnia na Globo Rural: Como Criar Cabras

18/03/2013 19:35

 

Um dos primeiros animais domesticados pelo homem, é de fácil adaptação a diferentes ambientes, de desertos a montanhas nevadas 
Texto João Mathias
Consultora Carla Francesconi Noznica*

Dóceis e fáceis de criar, as cabras fornecem carne e couro, além de leite

 

 

"Cabra da peste" é uma expressão popular que indica valentia e coragem muito usada no Nordeste. Com pouca água no céu e nos açudes e vegetação rarefeita, a região exige de quem habita por lá muita resistência, qualidade que não falta aos caprinos.

Embora tenham uma aparência franzina, as cabras superam essas barreiras climáticas e são vistas como um dos símbolos das terras nordestinas, onde concentram-se mais de 90% do plantel nacional. Introduzidos pelos colonizadores, os primeiros exemplares deram origem a raças típicas da região, como canindé, marota, repartida e moxotó.

Com a vinda dos imigrantes, a população de caprinos foi ampliada e despertou interesse de criadores. Aumentou a importação de matrizes e reprodutores da Europa e América do Norte, além de animais africanos, com o aumento da demanda pela carne.

 

A maior parte das criações no Brasil é familiar e de subsistência, mas há também venda de matrizes e reprodutores, carne, leite e queijos. Dóceis e fáceis de lidar, as cabras podem ser criadas em pequenas áreas, com instalações rústicas e mão-de-obra familiar.

 

 

Moxotó: resultado de cruzamentos Saanen, raça suíça popular no país: aptidão para a produção de leite Canindé: comum na região Nordeste

Para orçamentos mais enxutos, a produção de leite é a atividade mais indicada. Em média, raças com boa lactação produzem de dois a cinco litros por dia durante nove meses. É de alta digestibilidade e ideal a alérgicos à caseína. Contém mais vitaminas A, B12, C e D, o que o confere preços três vezes superior ao leite de vaca.

Herbívoro ruminante e de pequena estatura, a cabra chega a pesar entre 45 e 70 quilos quando atinge a idade adulta. Entre as principais raças estão as européias saanen, alpina e toggenburg, boas produtoras de leite; a inglesa anglo-nubiana, de dupla aptidão; as asiáticas mambrina, jamnapari e bhuj, de baixa produção leiteira; alpina americana (leiteira); angorá (fibra); e a boer, sul-africana de carne.

Raio X
CUSTO POR EXEMPLAR: pode variar de 300 reais a três mil reais.
TAMANHO MÍNIMO DA CRIAÇÃO: 25 cabras em lactação, desde que os animais sejam de alta produção.
INVESTIMENTO INICIAL: varia de acordo com o tipo de instalação, região e animal, mas pode chegar a 25 mil reais uma estrutura - sala de ordenha e equipamentos - para 25 cabras em lactação.
RETORNO DO INVESTIMENTO: pode variar de três a cinco anos.
REPRODUÇÃO: um parto por ano.
Mãos à obra
INÍCIO - Adquira raças a partir da atividade escolhida: produção de leite, carne ou ambos. Na compra dos animais, verifique antes se elas possuem bom porte e aprumo, úberes volumosos e com ligamentos fortes. Os reprodutores devem ser puro de origem. Faça o registro genealógico para garantir a qualidade e agregar valor ao caprino.
ESTRUTURA - Podem ser criadas a pasto, semiconfinadas ou confinadas, mas é necessário um abrigo. Ele deve ser confortável, arejado, protegido de ventos e umidade. O uso de madeiras e outros materiais existentes na propriedade tendem a diminuir os custos iniciais.
ALTERNATIVA - Uma alternativa do criador é adaptar uma instalação ociosa. Divida o capril em várias baias, segundo a fase de desenvolvimento do animal. É recomendado o uso de cama ou piso ripado - sarrafos de três centímetros de espessura por cinco centímetros de largura, espaçamento de dois centímetros e a 50 centímetros a 1,8 metro do solo. Os cochos devem ficar do lado de fora das baias.
CUIDADOS - Mantenha as instalações limpas e desinfectadas. Varra o local diariamente e retire as sobras de alimentos do cocho. Uma vez por mês, pelo menos, passe vassoura de fogo ou desinfetante químico. A vermifugação e o exame de fezes são recomendados, inclusive a quarentena para as cabras novas. E é importante evitar a superlotação.
REPRODUÇÃO - Aos três meses de idade separe os animais por sexo, para evitar coberturas precoces. As raças saanen, alpina, anglo- nubiana e boer estão aptas a procriar a partir dos oito meses. A reprodução nas regiões Sul e Sudeste é mais freqüente no final do verão, outono e em dias com pouca luminosidade.
GESTAÇÃO - A gestação leva, em média, 150 dias. O filhote recém-nascido deve ficar em local ventilado, sem corrente de ar e protegido do sol direto, porém com uma fonte de calor. Em 45 a 90 dias ocorre o desmame.
ALIMENTAÇÃO - As plantas forrageiras são importantes para o aparelho digestivo. Já os grãos completam as necessidades nutricionais e asseguram alta produção. As cabras preferem vegetação arbustiva de folhas largas - amoreira, rami e feijão guandu -, além de capins, silagem de milho ou feno de leguminosas. Ofereça sais minerais, mas em cochos separados. Outra dica importante é não deixar de faltar água de qualidade, pois elas bebem, em média, de cinco a seis litros por dia.

* Zootecnista, inspetora de registro genealógico, cfnoznica@hotmail.com
Onde adquirir: Sítio Rekantinho (15) 3294-1248; Capril São Paulo (12) 7811-8749; Paraíso da Mantiqueira (12) 3133-3429; e Capril Villa Tarabay (15) 3264-1207.
Mais informações: ABCC - Associação Brasileira dos Criadores de Caprinos, Av. Caxangá, 2200, Caixa Postal 7222, CEP 50610-230, Recife, PE, tel. (81) 3228-2606; Capripaulo - Associação Paulista dos Criadores de Caprinos, Avenida Francisco Matarazzo, 455, CEP 05001-900, São Paulo, SP, tel. (11) 3672-8980; Silvio Doria de A. Ribeiro, Capritec - Soluções em Caprinocultura, Espírito Santo do Pinhal, SP, tel. (19) 3651-5531