USP de Piracicaba mede impacto da pecuária para o aquecimento global

08/08/2012 19:51

 

 

Centro de Energia Nuclear analisa dejetos de gados confinados e de pastos.
Objetivo é achar o meio que possa reduzir até 40% as emissões poluentes.

 

Thomaz FernandesDo G1 Piracicaba e Região

Um grupo de pesquisadores do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) da Universidade de São Paulo (USP), em Piracicaba (SP), vai analisar até 2014 a influência dos gases emitidos na pecuária e que contribuem para o efeito estufa. A equipe usa uma fazenda em Ariquemes, em Rondônia, como centro de coleta e pesquisa. Além de medir os níveis de emissão, está sendo elaborado um paralelo entre a produção de dejetos (urina e fezes) de gados de pasto e confinado.

Pesquisadores analisam dejetos de gado em Rondônia (Foto: Edmilson Rodrigues/Divulgação)Pesquisadores analisam dejetos de gado em
Rondônia (Foto: Edmilson Rodrigues/Divulgação)

Os três principais gases que provocam o efeito estufa são o dióxido de carbono, o gás metano e o óxido nitroso. O que a pesquisa pretende indicar é a influência das criações de gado na emissão, quantificando-a e, depois, mostrando projeções de redução.

“Os pesquisadores extraem gases que são provenientes de urina e fezes depositados no solo por meio de câmaras estáticas instaladas no pasto. Esse material é todo acondicionado em frascos de vidros com vácuo, que, em seguida, são enviados para o laboratório do Cena, em Piracicaba, onde serão analisados por cromatografia gasosa, que faz a separação dos componentes e identifica cada um dos gases”, explica o professor Carlos Cerri, coordenador do estudo.

Confinamento e pastagem
O doutorando em química Ciniro Costa Júnior analisa a produção de gado de confinamento. Apesar de economizar em adubo químico, a modalidade produz maior quantidade de dejetos. “O armazenamento desses dejetos, em geral, dura 90 dias e temos alternativas que podem reduzir a emissão de poluentes em até 40%. Depois de medir a produção desses gases, vamos projetar as possíveis reduções”, disse.

O biólogo André Mazzetto e a agrônoma Arlete Simões Barneze estão em Rondônia fazendo a coleta de dejetos bovinos que serão enviados para a USP em Piracicaba. Mazzetto explica que, com essa pesquisa, a ciência busca todos os meios para esclarecer questões relacionadas a possíveis influências que a atividade pecuária pode causar. “A pesquisa servirá para mostrar se a pecuária afeta ou não o aquecimento global. A gente quer determinar os fatores de emissão na atividade pecuária”, resumiu.

Conclusão no exterior
Os trabalhos serão concluídos em universidades holandesas e americanas. A iniciativa não é pioneira no Brasil, no entanto, nenhum dos projetos sobre a emissão de gases já foram concluídos.

Fonte: G1