Tecnologia de tênis Adidas veio de camas de vaca

21/02/2015 13:02
pesquisa_tecnologia_infinergy_plastico_adidas (Foto: Divulgação / BASF)

Da última geração de entressolas usadas na confecção dos tênis esportivos da marca Adidas às camas de vacas, aquelas superfícies macias que equipam estábulos leiteiros mundo afora. O que os dois produtos têm em comum? A maciez da tecnologia Infinergy, criada pela BASF, empresa alemã de químicos, nos laboratórios de sua sede global, na cidade de Ludwigshafen, na Alemanha. Para os animais, ela eleva o bem-estar e, consequentemente, a produtividade de leite; nos pés humanos, oferece mais conforto e desempenho para quem é adepto das práticas esportivas, principalmente a corrida.As vacas gostam de superfícies macias para descansar. Quanto mais relaxadas, melhor a qualidade e quantidade de leite. 

Mas elas não deitam em qualquer lugar, precisam de conforto. “As camas devem ter no mínimo 10 centímetros de espessura, de material seco e macio. Ruminantes devem descansar de 10 a 14 horas por dia, fazendo com que o fornecimento de sangue seja otimizado durante o período”, explica a zootecnista especialista em bovinos de leite da Universidade Estadual de  Londrina (UEL) Carolina Muniz.

As camas feitas com a tecnologia Infinergy tiveram bons resultados nos testes realizados em laboratórios pela Sociedade Agrícola Alemã (DLG, na sigla em alemão) feitos com pesos de até 10 toneladas. Agora, estão em experiência nos estábulos do órgão.

A espuma foi a primeira no mundo a usar o poliuretano termoplástico expandido – o “e-TPU” – em termos técnicos. O material é desenvolvido em pérolas que medem de 5 a 10 milímetros, que e ao serem comprimidas criam um material denso, de textura macia e acabamento resistente. Entre as principais qualidades do material está a capacidade de suportar temperaturas extremas. Pode aguentar de -20°C a mais de 40°C sem alterar sua forma ou perder a elasticidade. A fabricante afirma que a espuma não perde essas características mesmo com uso contínuo, o que confere à tecnologia a durabilidade acima da média. Também pode ser reciclado.

A entressola é o diferencial de um tênis de corrida. Com o Infinergy, o desempenho chega a ser 50% superior ao material usado em modelos comuns do mercado, geralmente feitos com polipropileno, etileno vinil acetato (EVA) e polietileno expandido (EPE). Ao ser pressionada com o passo da corrida, a entressola volta imediatamente ao formato original, devolvendo em forma de impulso até 70% da energia da pisada do atleta. Os tênis são indicados para corridas diárias e de longa duração, partidas de vôlei e basquete.

A parceria entre a gigante alemã dos químicos e a famosa grife esportiva já tem mais de 20 anos. Em 2013, foi para o mercado a linha de tênis Energy Boost, que tem preços entre R$ 450 e R$ 700 no Brasil e já está no topo dos mais vendidos da marca. É destinada a todas as modalidades esportivas, menos o futebol. A Adidas detém a patente da tecnologia e é a única que produz com pérolas de poliuretano.

Pneus de bicicleta

Para o tênis ser lançado no mercado, foram mais de cinco anos de testes com placas de medição de pressão que analisam e avaliam todos os passos; câmeras que captam as altas velocidades dos padrões de movimento; e análise de como a planta dos pés se adapta ao material.

A BASF tem tradição na descoberta e fabricação de plásticos. Fundada em 1865 pelo químico Friedrich Engelhorn, o primeiro produto foi a amônia, um dos primeiros fertilizantes utilizados no campo. Logo depois, começaram a fabricar plásticos. De acordo com Kurt Bock, presidente do conselho executivo da empresa, a sede por inovação nunca mudou. Desde o início da companhia, o portfólio cresceu e hoje inclui químicos, plásticos, produtos de performance e proteção às safras. “Ser bem-sucedida por tantos anos mostra a criatividade e determinação dos funcionários, no passado e no presente”, disse ele, durante a conferência para jornalistas no começo de dezembro, em Ludwigshafen.

bicicleta_infinergy_basf (Foto: Divulgação / BASF)

Mas, assim como o material veio de camas de vacas, a BASF quer levar o Infinergy a outros produtos. Ele pode ser usado em qualquer peça que exija uma combinação de baixo peso, excelentes propriedades mecânicas e boa durabilidade. A mais nova possibilidade é usar a tecnologia para substituir os tradicionais pneus de bicicleta. Se os testes futuros derem certo, o veículo não necessitaria calibrar os atuais pneus com câmara de ar e também seriam imunes a objetos cortantes, o que tornaria realidade um sonho antigo dos ciclistas: um pneu que nunca fura. Para a feira de design de Madri, em 2013, a BASF criou um protótipo totalmente de plástico, com design inspirado nas antigas bicicletas. Ele é único e não será fabricado em larga escala, mas já dá uma noção sobre as possibilidades do produto.

Para incrementar ideias, atender à necessidade dos consumidores e criar oportunidades de mercado, a BASF lançou a plataforma online Creator Space como ação comemorativa aos seus 150 anos, que serão completados em abril de 2015. A empresa convoca sociedade, empresários e cientistas de todo o mundo para discutir soluções nas áreas de produção de alimentos, urbanização e energia. A novidade foi ao ar em setembro de 2014 e atualmente conta com mais de 2 mil integrantes trocando ideias em tempo real. Não é de se espantar que a Infinergy ganhe novos usos em breve com tanta gente interligada.