Salmão sempre tem ômega 3, não importa a procedência

22/08/2013 12:55

Mito que peixe de cativeiro não teria nutriente não procede, segundo especialistas; ele é adicionado à ração dos animais

DO IG SAÚDE

O salmão criado em cativeiro pode ser ainda mais rico em ômega 3 que o peixe selvagem. O ácido graxo poliinsaturado, essencial para a manutenção da saúde neurológica de humanos, é adquirido a partir da alimentação, seja nos plânctons das águas geladas dos mares do norte, ou na ração dada aos peixes criados em tanques.

“Os animais não produzem gordura vegetal e o ômega 3 faz parte desse tipo de gordura. O peixe precisa pegar essa gordura no meio ambiente e o salmão selvagem encontra nos plânctons que existem nos mares do norte”, diz Roberto Carlos Burini, biomédico e coordenador do Centro de Metabolismo e Nutrição da Faculdade de Medicina de Botucatu.

“Os peixes menores se alimentam desse plâncton e o salmão se alimenta desses peixes, consumindo indiretamente o ômega 3”, explica. “Qualquer peixe que for alimentado com ômega 3, depois de um tempo passará a ter esse ácido graxo em sua carne”, explica o biomédico.

No caso do salmão criado em cativeiro, que é o mais consumido no Brasil, ele é alimentado com ração que contém ômega 3. É mito, porém, acreditar que o salmão de cativeiro não tenha – ou tenha pouco – ômega 3 em relação ao peixe selvagem.

“Os produtores de salmão de cativeiro perdem em produção se não alimentarem o peixe com ômega 3, já que ele é essencial para o bom crescimento do animal”, explica o nutrólogo Roberto Navarro, membro da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

Ele ressalta que o salmão de cativeiro pode, inclusive, até ter mais ômega 3 do que o selvagem. “O peixe de cativeiro se movimenta menos, podendo armazenar mais gordura. Pode ser então, que ele tenha mais ômega 3”, explica.

Ração balanceada para o peixe crescer

Especialistas afirmam que a alimentação do salmão de cativeiro é balanceada. “Basicamente as rações são à base de proteínas, gorduras – para que o salmão tenha ômega 3 e 6 – vitaminas, minerais, antibióticos, fungicidas, farinhas de peixes e carnes, porque eles são naturalmente carnívoros e, na natureza, comeriam pequenos peixes e crustáceos coloridos”, explica a zootecnista, dizendo que eles também recebem um corante artificial na ração, para que adquiram a coloração típica – senão a carne do salmão de cativeiro seria totalmente branca.

O corante astaxantina, o carotenoide adicionado às rações, é um poderoso antioxidante, afirma o nutrólogo Roberto Navarro.

“Ele diminui a incidência de câncer e protege os olhos contra a degeneração macular [perda de visão]. O que se fala na internet é que, supostamente, os produtores de salmão adicionariam um corante derivado do petróleo, que é cancerígeno. Essa afirmação só pode ser tomada como verdade se for comprovada pela Vigilância Sanitária, responsável por fiscalizar os alimentos”, explica.

Além da possível diferença na quantidade de ômega 3, a nutróloga Ana Luisa Vilela, da clínica Slim Form, ressalta que, por mais que o corante astaxantina seja benéfico, algumas pessoas podem ter alergias. “Na natureza, a pigmentação é natural, já em cativeiro, é forçada. É como se fosse um produto orgânico e não orgânico”, explica.

Outro ponto que a nutróloga Ana Luisa ressalta é o meio ambiente do salmão. “Como ele está em cativeiro e o produtor quer um peixe de melhor qualidade, sem contaminação, eles tratam as bactérias do cativeiro com antibióticos – o que pode causar alergias em algumas pessoas”, explica. “Mas não é preciso alarde. Cerca de 90% do salmão brasileiro vem de cativeiro e ninguém está morrendo ou sofrendo surtos alérgicos”, tranquiliza.

Entenda a produção de salmão em cativeiro
A maior parte do salmão que se consome no Brasil vem do Chile. A zootecnista e mestre em produção animal Andressa Cristina Gomes Carolino explica que o salmão precisa de água limpa e gelada para se reproduzir. “A produção começa em meados de maio e vai até o começo de agosto. O salmão precisa de águas de 10ºC para se reproduzir” explica a zootecnista.

Os salmões são criados em tanques, e, no caso das fêmeas, é necessário fazer uma seleção diária dos animais.

“Tem que pegar uma a uma e observar pela dilatação do abdome quais estão aptas a liberar ovos. É só apertar a barriguinha delas para ver se soltam ovos. Se soltarem, elas são levadas para um tanque com anestésico, para liberarem os ovos sem se debaterem. Uma massagem abdominal é feita até que elas liberem os ovos”, detalha Andressa Carolino, explicando que elas liberam em torno de dois mil ovos em cada coleta.

Os ovos, depois de serem fecundados, são levados para uma incubadora por cerca de 30 dias, até eclodirem e nascerem os alevinos (filhotes). “Como todo peixe, eles se mantém da absorção do saco vitelínico, se alimentando do próprio alimento. Quando acaba essa reserva, aí entra o fornecimento da ração, até que ele atinja mais ou menos 60 centímetros, o que leva em média dois anos”, explica Andressa Carolino.

Cativeiro não interfere na cadeia alimentar
Caso a procura pelo salmão selvagem aumente, poderá haver um desequilíbrio em toda a cadeia alimentar, como explica a zootecnista Andressa Carolino.

“O salmão se alimenta do camarão, que se alimenta das algas que, por sua vez produz oxigênio para a água, contribuindo para a manutenção de toda a vida aquática. Se todos resolverem pescar o salmão selvagem, um elo desta cadeia irá se quebrar e, a médio prazo, vai haver um desequilíbrio geral”, explica a especialista. “Vários outros animais marinhos se alimentam do salmão, então a interferência do homem é sempre maléfica”