Revista Campo & Cidade - O Ensino da Zootecnia no Brasil

26/09/2014 16:30

Escolas e regulamentação da profissão determinaram crescimento do setor

Revista Campo & Cidade

O estudo da Zootecnia remete a tempos passados. Em 1843, Adrien Étienne Pierre, o Conde de Gasparin, criou na França a palavra zootechnie, formada pelos radicais gregos “zoon” e “tecnê”. Ela designava o conjunto de conhecimentos já existentes relativos à criação de animais domésticos. O termo foi adotado por povos latinos que tiveram influência da cultura francesa.

 

Escola Agrícola Luiz de Queiroz foi uma das primeiras instituições do ensino agrário no Brasil – USP

O foco da Zootecnia é o animal doméstico, que é criado e reproduzido pelo homem. Ainda na França, em 1848, no Instituto Versailles, houve a criação de uma disciplina destinada ao estudo da criação de animais domésticos. O primeiro mestre na área foi Emile Vandement.

No Brasil, a ciência passou a ser conhecida com a vinda de professores da Europa para ministrar aulas em instituições. Em 1907, o professor Nicolau Athanassof, graduado na Bélgica, atuou como professor da disciplina Zootecnia na Escola Agrícola Luiz de Queiroz (Esalq), em Piracicaba/SP, uma das primeiras instituições do ensino agrário no País. Em 1929, o professor Octávio Domingues definiu a Zootecnia: “É a ciência aplicada que estuda e aperfeiçoa os meios de promover a adaptação econômica do animal ao ambiente criatório, e deste àquele”.

 

José Francisco Sanchotene Felice foi um dos responsáveis pela criação do curso de Zootecnia – AL/RS

A Zootecnia ganhou força em 1951, data da criação da Sociedade Brasileira de Zootecnia (SBZ), quando agrônomos e veterinários se reuniram para a 1ª Reunião Anual da SBZ, dedicada a apresentar e discutir trabalhos e pesquisas em Zootecnia. Octávio Domingues foi presidente da instituição por mais de 15 anos, propondo o primeiro currículo para um curso de Zootecnia, em 1953. Ele serviu de orientação aos primeiros cursos de Zootecnia.

O primeiro curso de Zootecnia no Brasil foi criado em 13 de maio de 1966, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Uruguaiana/RS, por iniciativa dos professores Mário Hamilton Vilella e José Francisco Sanchotene Felice. Foi o primeiro no País e o terceiro na América Latina. Anos depois, os cursos de Medicina Veterinária e Agronomia, estes ainda existentes, passaram a funcionar implantando assim um importante centro de ensino agrícola superior naquela cidade.

A criação do curso abriu espaço para que a profissão de Zootecnista fosse regulamentada, o que aconteceu em 4 de dezembro de 1968, pela Lei Federal 5.550. No ano seguinte, o Parecer 406, estabeleceu o currículo mínimo e a duração do curso de Zootecnia, com modificações em 1984 e 1997.

O curso

Atualmente há cerca de 100 cursos de Zootecnia no Brasil, que já formaram aproximadamente 20 mil profissionais. A duração obrigatória ao curso é de cinco anos.
Porém, como algumas instituições oferecem o curso em período integral, o tempo pode cair para 4,5 anos. O bacharel em Zootecnia ou Zootecnista pode atuar em várias áreas, como na criação e produção de animais de companhia, lazer e esporte, na preservação da fauna, gerenciando e executando planejamento em empreendimentos de agronegócio, como fazendas e granjas, pensando na melhoria da produção e maior rentabilidade do negócio.

 

Criada em 1973, Universidade Federal de Viçosa já titulou mais de mil zootecnistas – Capes

Os serviços passam pela nutrição, reprodução e aperfeiçoamento genético do animal.

Órgãos governamentais e instituições de ensino possuem zootecnistas na área da pesquisa; a atuação se dá ainda na indústria, em ramos como os de ração e farmácia; esse profissional pode atuar até mesmo em zoológicos. O pensamento-chave do Zootecnista é o bem-estar e a preservação dos animais. No curso, temas como biologia, genética, química, citologia, anatomia e zoologia são essenciais para o profissional compreender a profissão. Disciplinas de Exatas são recorrentes na grade curricular, como conceitos de administração e informática. Estágio supervisionado e trabalho de conclusão de curso são obrigatórios para o diploma.

Ensino da Zootecnia pelo Brasil

Os investimentos na indústria alimentícia no País, assim como o volume de exportações, seguem em crescimento, gerando uma grande demanda por zootecnistas no mercado. O Guia do Estudante, que avalia as universidades brasileiras, dá cinco estrelas a seis cursos de Zootecnia, todos de universidades públicas: as federais de Lavras e Viçosa, em Minas Gerais, a federal da Paraíba e três de São Paulo: a Universidade de São Paulo (USP), no campus Pirassununga, e a Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), nos campus Botucatu e Jaboticabal.

 

Prédio Álvaro Botelho foi o primeiro construído no campus da Universidade Federal de Lavras, em 1908 – UFLA

Em Viçosa/MG o curso de graduação, com mais de mil zootecnistas titulados, foi criado em 1973. A cada ano, 60 novos alunos ingressam no curso. O Departamento de Zootecnia conta com sete laboratórios: Animais, Bioclimatologia, Biotecnologia, Forragicultura, Nutrição Animal, Peixes e Reprodução. O setor de equinos tem área de 130 hectares e rebanho de 85 animais para ensino, pesquisa e extensão em nutrição e reprodução equina.

 

Animais no curral são usados em estudos e pesquisas na Faculdade de Zootecnia em Pirassununga – Marcos Santos

Desde 1975, a Universidade Federal de Lavras/MG formou mais de 750 alunos. Possui setores como os de Avicultura, Bovinocultura de Corte e de Leite, Caprinocultura, Cães e Gatos, Piscicultura, Suinocultura, Fábrica de Ração e Laboratório de Nutrição Animal.

Oferece pós-graduação na área, em nível de Mestrado e Doutorado. Quarenta livros didático-científicos e mais de 700 artigos foram publicados por estudantes da instituição em periódicos nacionais e internacionais.

Criada em 1976 e reconhecida pelo Ministério da Educação quatro anos depois, a Zootecnia da Universidade Federal da Paraíba fica na cidade de Areia/PB, onde oferece também pós-graduação em Zootecnia. O corpo docente é formado por 65 profissionais.

 

Prédio de Zootecnia da Unesp de Botucatu, que atualmente oferece 60 vagas por turma – FMVZ

Em Pirassununga, interior de São Paulo, foi criado em 1992 o campus da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo (USP). Porém, o curso de graduação em Zootecnia existia desde 1978, na capital. São mais de 200 alunos de Zootecnia. O Departamento de Zootecnia possui 13 laboratórios, dentre eles os de Aquicultura, Avicultura, Fisiologia da Reprodução e Ruminologia.

A Universidade do Estado de São Paulo (Unesp) mantém o ensino de Zootecnia em dois de seus campus. Em Botucatu/SP, as atividades começaram em 1977, com 20 vagas. O curso cresceu e, em 1990, foi instalada a pós-graduação em níveis de Mestrado e Doutorado.
Atualmente são 60 vagas por turma e o aluno entra logo em contato com áreas de produção animal nas três fazendas da faculdade, onde se criam peixes, rãs, gado, suínos, equinos e outros animais.

O curso de Zootecnia na Unesp Jaboticabal/SP é mais antigo, de 1971. Cinco anos depois, foi implantada a pós-graduação em níveis de Mestrado e Doutorado. No total, o campus possui 829 hectares, com laboratórios, hospital veterinário, áreas de bovinocultura de corte e leite, caprinocultura, equideocultura, laboratório de nutrição animal, dentre outras. Hoje há mais de 200 alunos em Zootecnia.

Tradição

Duas tradicionais instituições que oferecem o curso de Zootecnia merecem destaque. Uma é a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), a segunda a oferecer o curso de Zootecnia, em 1970, mesmo ano do início do curso na Universidade Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul.

 

Prédio central da Unesp de Jaboticabal em registro fotográfico de 1985 – Blog Entrelinhas

A UFRRJ foi criada em 1910 como Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária, uma das bases fundamentais do ensino agropecuário no Brasil. A Universidade Rural foi criada em 1943 e chamada oficialmente de Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro em 1965. Cinco anos depois, foi criada a graduação em Zootecnia. Atualmente a graduação oferece cerca de 110 vagas anualmente. A UFSM, em Santa Maria/RS, segue em funcionamento e é um dos principais centros de Zootecnia do País, oferecendo 72 vagas por ano.

Tiago Keese