Raça de caprinos Anglo-Nubiana se destaca no estado do Piauí

27/03/2013 22:35

G1

 

Rede Clube

 

 

 

É uma raça de dupla aptidão, carne e leite, sendo considerada prolífera.
A raça Anglo-Nubiana é bem aceita pelos criadores de caprinos no nordeste.

 

A raça Anglo-Nubiana está bem distribuída, no Brasil, sendo muito utilizada nos cruzamentos absorventes para a produção de leite e carne, principalmente no Nordeste. No Piauí a raça está cada vez mais em destaque. Apresenta grande importância econômica para introdução inicial em rebanhos criados, extensivamente, e que pretendem melhorar a produção leiteira.

De acordo com José Elivaldo, doutor em zootecnia, a raça facilmente se adaptou as situações climáticas do Nordeste. “Já consideremos uma raça naturalizada, por sua adaptação no estado, onde tem dupla aptidão, tanto na carne como no leite”, disse.

Caprinos dessa raça são mais utilizados em sistemas extensivos de criação e semi-intensivos, pois são animais muito rústicos, com fortes aprumos. Apresentam uma produção leiteira e duração de lactação menores do que as raças leiteiras, mas é de grande importância nos cruzamentos industriais. No caso de sistemas de produção de leite em confinamento, o mais indicado é o uso de raças especializadas. Nesse caso, uma das mais usadas é a Anglo-Nubiana.

Os caprinos da raça Anglo-Nubiana são assim denominados, devido aos cruzamentos entre caprinos da Núbia (Sudão) e da Inglaterra com o duplo objetivo de produção de carne e leite. Trata-se de uma raça, extremamente rústica, com ótima adaptação ao ambiente tropical, inclusive para a criação a pasto.

Essa é uma raça que possui todas as variedades de pelagem, com pelos curtos e brilhantes, pele solta, predominando a cor escura. O corpo é longo, profundo e bem conformado, bastante musculoso, conta com um peito amplo, uma linha dorsolombar retilínea e larga, além de costelas bem arqueadas. Tais características fisionômicas garantem a essa raça uma boa aptidão para o corte.

Ao mesmo tempo, as fêmeas apresentam úberes muito bem desenvolvidos e uma boa produção leiteira, menor que a produção das outras raças especializadas europeias, porém contendo altos níveis de gordura e sólidos totais. Isso é responsável por determinar a grande habilidade materna e a capacidade de produção comercial de leite. Por isso, a raça é classificada como de dupla aptidão, o que tem determinado o seu uso mais intenso na caprinocultura de corte brasileira, devido à possibilidade de uma exploração mais rentável.