Projetando a Carreira de Zootecnia

27/01/2016 14:00

Como mãe de uma pré-universitária, em fase de escolha de carreira, estou pesquisando profissões, perfis e talentos que são necessários para cada carreira.

Decidi investir em uma nova seção no site convidando profissionais de mercado que contribuam com depoimentos sobre suas próprias escolhas e  evolução de suas carreiras,  auxiliando a sanar as dúvidas desses jovens que estão no difícil momento de Projetar seus Futuros profissionais, buscando uma vaga nas universidades.

E inauguro esse projeto com uma profissão diferenciada, que poucos conhecem em detalhes e que tem uma importância vital para nossa economia, Projetando a Carreira de Zootecnia…

Zootecnia responde pela nutrição e alimentação, criação e manejo, melhoramento genético dos animais, processamento e qualidade dos produtos de origem animal, planejamento e difusão de técnicas zootécnicas, administração e gerenciamento de empresas agropecuárias,  etc.

E para falar dessa carreira o meu convidado é Ademir Pereira, profissional a quem respeito muitíssimo por seu trabalho e dedicação!

ademir

Nome: Ademir Maciel Pereira

Carreira escolhida: Zootecnista

Universidade Frequentada: Universidade Federal de Lavras  – UFLA

Instituição Federal ou Particular: Federal

Tempo de graduado: 21 anos

Fez cursos de Mestrado/Doutorado/Especialização?

Se sim, quais e aonde e que duração tiveram:

Mestrado (UFLA) e MBA em Marketing no Agronegócio (TCAI – Instituição ligada à FGV).

Quais os motivos que a(o) levaram à escolha dessa carreira?

família ligada ao agronegócio e gosto pela área, gostar de animais, da natureza, etc.

O que você encontrou no mercado de trabalho logo após sua formatura?

Terminei a graduação e fui fazer mestrado, por entender que precisava me diferenciar no mercado de trabalho e o fato de estar dentro da Universidade ainda, naquele momento, facilitava a continuação da minha formação acadêmica. Terminei o Mestrado e decidi que queria trabalhar na iniciativa privada. Assim comecei a enviar Curriculum e contatar a rede de relacionamentos que já possuía na época… Não me importava em que posição começar, me importava “começar”, ter a primeira oportunidade. E ela veio. Consegui entrar como trainee numa multinacional de grande porte.

Que ajustes de percurso você fez depois de formado em sua carreira?

Fiz pós-graduação e depois fui para o mercado de trabalho, conforme era o objetivo traçado. Não tive mudanças de rumos depois de formado.

Você seguiu sua carreira original de escolha??

Sim. Sempre quis fazer algo ligado ao agronegócio (à produção animal) e tinha que ser algo que eu gostasse muito. Para mim não foi difícil decidir. Além disso, como sou bastante racional, não bastava só gostar, busquei enxergar um futuro promissor nesta minha carreira escolhida. Eu estudava na época o que era a produção do agronegócio brasileiro em relação a outros países do mundo, qual eram os desafios, quais os diferenciais do Brasil, quais as perspectivas futuras, o potencial que tinha o país, o quanto deste potencial já era ou não explorado, como era o mercado para a profissão, quais as vantagens, as desvantagens… E ví que o agronegócio, mais precisamente a produção de leite e carne bovina, tinha muito para crescer e, para isso, se iria precisar de bons profissionais… Analisei que trabalhar direta ou indiretamente com a produção de alimentos seria uma boa, já que, com crise ou sem crise, todos consumimos alimentos… E que se podia alinhar algo que eu gostava com algo que me parecia ter um futuro promissor. Assim, eliminei minhas dúvidas e segui com meu objetivo.

Quais os principais desafios encontrados em sua profissão?

Minha profissão tem várias linhas de trabalho: Pesquisa, Ensino, Extensão Rural e a Iniciativa Privada. Como sempre quis trabalhar na iniciativa privada, um dos desafios é sempre o primeiro emprego, já que a oferta de trabalho, se comparado com outras profissões, é menor. Mas também a concorrência é menor – Não deve ter Zootecnistas no Brasil que somem 2% do número de advogados, por exemplo.

Quais as maiores realizações que sua profissão oferece?

Quando se faz o que gosta, a maior realização que se pode ter é a satisfação pessoal e a certeza de ter feito a escolha correta, encontrando a felicidade em cada atividade do seu dia-a-dia. Claro que temos sempre “ossos para roer”, nem tudo são flores… Mas se conseguirmos fazer do “limão uma limonada” em pelo menos 50% das situações, já será muito prazeroso… Outra coisa prazerosa é olhar para a sua própria carreira, pelo “retrovisor”: Estou a 20 anos neste negócio e já passei por muita coisa… Hoje trabalho com gestão de pessoas, que fazem o que eu comecei fazendo a 20 anos atrás… É prazeroso orientar alguém que está começando uma carreira agora e poder fazê-lo entender que ele(a) pode não errar as mesmas coisas que eu já errei no passado. Compartilhar experiências, aprender com os jovens iniciantes, desmistificar alguns medos deles, contribuir com o “crescimento” das pessoas… Nada dá mais prazer do que isso.

  Que opções ou especificações sua carreira proporciona?

Podemos trabalhar com Pesquisa, Ensino, Extensão Rural e na Iniciativa Privada. Dentre estes, podemos trabalhar com melhoramento e genética animal, com nutrição animal, com projetos agropecuários, com instalações e equipamentos, com produção agrícola e com gestão de pessoas. Na minha carreira, acabei me dedicando e conduzindo minha carreira para esta última.

 Que conselhos você daria a um jovem em fase de escolha de carreira e que pense em seguir a sua carreira?

Primeiro olhe para sí mesmo e tente descrever a sua própria personalidade e identificar os seus gostos pessoais.

Depois analise se a profissão tem a ver com o seu jeito de ser. Falo aqui do modus operandi (do dia-a-dia) da profissão. Isso precisa ser compatível com seu jeito de ser. Eu, por exemplo, sempre gostei de biologia, mas jamais conseguiria ser Dentista e ter uma rotina de ficar “trancado” dentro de um consultório. Por isso busquei algo que me desse a liberdade de trabalhar ao sol, em contato com a natureza, etc; que são coisas que eu gosto de fazer, que me satisfazem, que deixam o meu dia-a-dia “leve”… Jamais faça algo que te obrigue a uma rotina “pesada”, algo que você não goste de fazer.

Avalie o “cenário” em torno da profissão. Tem profissões lindas, que você se identificaria muito com ela, mas se o “espaço” para trabalhar nela depois for pequeno ou quase inexistente; você não se realizará, pelo simples fato de que será muito difícil conseguir exercê-la em plenitude e viver dela… Entenda “viver dela” como: pagar a conta do supermercado, a escola dos filhos, ter uma boa casa, poder viajar nas férias com a família; proporcionar aos filhos pelo menos o que você teve dos seus pais… Enfim, fazer as coisas pessoais que te realizam; pois, na verdade, estas coisas pessoais são muito mais importantes que as profissionais.  Você precisa escolher uma profissão que seja “meio” para você conseguir suas realizações pessoais.

Convencido do que quer, emocional e racionalmente, entre de cabeça e faça a diferença, desde o início da faculdade. O mundo de hoje é muito competitivo e é preciso se diferenciar sempre. Faça muitos estágios desde as primeiras férias, crie relacionamentos, participe de grupos de estudos, Diretório Acadêmico, Núcleos de pesquisa… Isso tudo somado lhe dará uma bagagem diferente para o resto da sua vida. O mercado busca hoje, não alguém que tem a solução, mas alguém capaz de criar uma solução nova para cada desafio novo. E contamos sempre com muitas pessoas para isso…

O sucesso de cada um depende de competência, de esforço e de oportunidade. A competência você constrói. O esforço você mostra pelas suas atitudes. A oportunidade sempre aparece para aquele que se esforça e tem competência.

Projetando Pessoas - Como um cometa impulsionando sua vida e sua carreira