Primeiro estudo de referência dos produtores globais de alimentos sobre a aplicação do bem-estar dos animais de produção

09/04/2013 20:29

 

Um relatório inédito revela que as práticas voltadas ao bem-estar dos animais de produção não vêm sendo devidamente administradas e divulgadas pela indústria alimentícia.

O marco de referência para o bem-estar destes animais, conhecido internacionalmente como Business Benchmark on Farm Animal Welfare (BBFAW), além de ser o primeiro informe estruturado para as principais empresas produtoras de alimentos no mundo, bastante objetivo das atuais condições de bem-estar dos animais de produção sob um ponto de vista comercial. 

O estudo foi elaborado com o apoio das principais organizações dedicadas ao bem-estar animal, além da Compassion in World Farming e da Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA). Atualmente, é referência para os 68 maiores produtores globais de alimentos revela que muitas empresas na indústria alimentícia não estão gerenciando de maneira eficaz os riscos ou as oportunidades associados ao bem-estar dos animais de produção, e que a maioria delas ainda não divulgou as políticas que vêm adotando neste sentido.

A este respeito, Nicky Amos, diretor do Business Benchmark’s Programme – agenda programática para o estabelecimento de um marco comercial –, fez o seguinte comentário: “A principal conclusão de nosso estudo é que o conceito de bem-estar dos animais de produção não vem recebendo a mesma atenção dispensada a outros assuntos que envolvem responsabilidades corporativas. Enquanto 70% das empresas avaliadas reconhecem o bem-estar animal como um tema de interesse comercial, muitas delas ainda não publicaram as suas políticas para tratar do assunto e um número ainda menor já tem, de fato, definidos os seus compromissos nesta área. Entre as 68 empresas analisadas, apenas 46% publicaram suas políticas formais para o setor, 41% explicaram como o seu corpo diretor ou gerencial supervisiona os métodos de bem-estar animal e apenas 26% divulgaram seus objetivos e metas voltados ao bem-estar dos animais de produção”.

Consultor especializado do Business Benchmark, o Dr. Rory Sullivan também se pronunciou. “São bastante motivadoras as razões de ordem comercial para que as empresas – e seus investidores – se preocupem com o bem-estar dos animais de produção. Além da atual regulação, particularmente na União Europeia, e da pressão exercida por ONGs dedicadas à causa animal, as crescentes preocupações com o consumidor, somadas às expostas pela mídia com relação a práticas corporativas deficientes, evidenciam que o bem-estar dos animais de produção é hoje um considerável agente de risco para o sucesso de um negócio, sendo também um fator de importância cada vez mais crescente para determinar o valor de um investimento. A despeito da existência de alguns nichos de boas práticas e da transparência demonstrada por algumas empresas líderes – notadamente, a Co-operative Food, no Reino Unido, a Noble Foods e a Unilever –, nossa pesquisa indica que várias empresas produtoras de alimentos têm mostrado pouca eficiência no gerenciamento de riscos ou na maximização das oportunidades comerciais proporcionadas pelas práticas de bem-estar dos animais de produção”, assinala Sullivan.

A WSPA, Sociedade Mundial de Proteção Animal, através de seu CEO, Mike Baker, acrescenta: “É com grande satisfação que a WSPA vem apoiando a criação deste marco de referência para os investidores. Eles já nos relataram que tal referencial funcionará com uma ferramenta para ajudá-los a entender quais empresas do setor alimentício mantêm políticas transparentes de gerenciamento das práticas de bem-estar animal. Esperamos que isto sirva de alento para que outras empresas adotem boas práticas, gerando mudanças positivas para os animais em escala global”.

Já o CEO da ONG britânica Compassion in World Farming, Philip Lymbery, afirmou que “a maneira como os nossos alimentos são produzidos e o tratamento dado aos animais que fazem parte deste processo tornaram-se assuntos de grande relevância”, ressaltando que “pela primeira vez, um relatório mostra como empresas líderes estão lidando com o tema e de que maneira elas estão - ou não estão – integralmente comprometidas com a oportunidade de tratá-lo com a seriedade que a sociedade atual requer”.

Notas:

1.    O Business Benchmark on Farm Animal Welfare (BBFAW) é um referencial a ser adotado por investidores, corporações, ONGs e demais partes interessadas em compreender o funcionamento das empresas do setor. Para obter maiores informações sobre o seu conteúdo programático, acesse  www.bbfaw.com. 

2.    No total, 68 empresas foram incluídas na avaliação de 2012, representando 3 setores de produção alimentícia: (a) varejistas e atacadistas, (b) bares e restaurantes (categoria que inclui vários fornecedores de serviços) e (c) produtores e fabricantes. A lista inclui empresas listadas e não listadas (privadas, em sociedade e cooperativadas).

3.    As empresas foram avaliadas em concordância com os métodos que adotam para administrar suas práticas de bem-estar animal, considerando-se três pilares: (a) comprometimento com políticas de gerenciamento, (b) implementação destas políticas e (c) liderança e inovação. As avaliações se basearam em dados disponibilizados e publicados pelas empresas, refletindo a maneira como os investidores avaliam desempenhos corporativos em temas que envolvam responsabilidade social.

4.    Uma mesma avaliação será realizada em agosto próximo para ser publicada ainda no final de 2013.

Fonte:  WSPA