Vantagens da produção de ovinos sem volumoso

15/07/2014 10:26

A tecnologia criada há três anos, tornou-se uma alternativa de obter lucros consideráveis com a ovinocultura. A produção de cordeiros sem volumoso apresenta algumas vantagens que merecem atenção:

1. Custo da dieta
Mesmo que produzido na fazenda, o custo do volumoso tem elevado de forma considerável, chegando ao ponto de observar no mercado que a maioria dos volumosos, o kg do nutriente no volumoso está mais elevado que no concentrado;

2. Diminuição da mortalidade
A ovinocultura sempre apresentou elevado índice, principalmente devido à verminose, que é originada do pastejo;

3. Eficiência no tempo
Este é um item bastante relevante nos dias atuais, pois não se necessita só produzir muito, mas também em pouco tempo, diminuindo a correção monetária do capital mobilizado e elevando a sustentabilidade do produtor;

4. Produto de qualidade
Apesar do Nordeste ser referência na produção de pequenos ruminantes, a qualidade deste produto ainda está muito aquém do ideal em decorrência da elevada idade ao abate e longas distâncias percorridas para a alimentação, sendo que os principais restaurantes e churrascarias do NE ofertam em seu cardápio um ovino oriundo, normalmente, do Uruguai, o que é uma vergonha para a região.

O sistema de produção sem volumoso é recomendado para borregos logo após o desmame. Baseia-se na oferta de somente um concentrado, confeccionado com milho moído (56%), torta de algodão farelada (37%) e premix vitamínico-mineral-tamponante (7%).

O consumo do desmame ao abate (15 kg de carcaça ou 35 kg de peso vivo) é de aproximadamente 1 kg/dia para ganhos de 300 g/dia. Isso tem promovido uma lucratividade mensal de R$ 40,00/animal. Este valor é um divisor de águas para a ovinocultura, pois nunca foi possível um lucro deste na atividade. A área recomendada é 2 m2/animal com 15 cm lineares de cocho por animal, sem esquecer de água e sombra.

Sestaca-se que este protocolo foi criado com o intuito de atender os quatro pontos supracitados, e poderá ser potencializado se utilizado o cruzamento industrial (Matrizes Santa Inês x Reprodutores Dorper), creep feeding (fornecimento de concentrado aos lactentes) dentre outros.


Autor: Hermógenes Santana - Zootecnista. Doutor em Zootecnia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Professor efetivo da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), lecionando no curso de Bacharelado em Zootecnia.