Especialização é diferencial para profissionais do agro, diz consultoria

19/04/2016 16:47

Cada vez mais as companhias buscam profissionais com sólida formação técnica em profissões tradicionais, mas que tenham se especializado em alguma área diferenciada, como finanças, seguros ou avaliação patrimonial.

Redação


Com alto crescimento e desenvolvimento tecnológico constante, o agronegócio brasileiro ostenta aumentos anuais na produtividade, que hoje fica entre as maiores do mundo. Por trás dessa revolução, além das máquinas, estão profissionais especializados que compõem uma cadeia que se torna cada vez mais complexa e sofisticada. De acordo com levantamento realizado pela Abrahams Executive Search, empresa de recrutamento especializada no agronegócio, as companhias buscam profissionais com sólida formação técnica em profissões tradicionais, como engenharia agronômica, zootecnia e veterinária, mas que tenham se especializado em alguma área diferenciada, como finanças, seguros ou avaliação patrimonial. “Profissionais com este perfil são tão raros e demandados atualmente que, além de generosos pacotes de benefícios, recebem salários que variam de R$ 25 mil a R$ 80 mil mensais”, explica Jeffrey Abrahams, presidente da empresa e membro do Board das Américas da AESC (Associaciation of Executive Search Consultants).

Um exemplo é o cargo de Gestão de Farming, tanto na área de grãos quanto etanol, que exige executivos capazes de buscar e adquirir novas terras com menores preços para prepará-las fisicamente e legalmente para futura venda ou uso para agricultura de precisão. “É necessário que o profissional saiba exatamente o processo de registros, demandas ambientais e os quesitos para a seleção das terras, como as questões pluviométricas, climáticas, adequação geográfica e de solo. Como competências, podemos citar a capacidade de trabalhar matricialmente e de ter uma visão financeira e de negócios muito apurada, características essas raras nos engenheiros agronômicos”, explica Jeffrey.

Outro novo cargo é o de Gestor de Risco Agrícola, que exige profissional capacitado tecnicamente para o mapeamento de áreas agrícolas para resseguro. É necessário que o executivo tenha grandenetwork entre decisores, conhecimento de underwriter agrícola e de legislação do mercado de seguros. Já o Gestor de Acesso ao Mercado tem a função de maximizar a penetração de mercado e buscar de ferramentas financeiras para diminuir a perda cambial e preço de commodities para a companhia. É um profissional que precisa conhecer as cadeias de valores nas diferentes regiões do país, além de ferramentas de distribuição e vendas, marketing, CRM e financeiras.

“Essas novas profissões têm salários muito atrativos. Logo, não é a falta de interesse que traz a dificuldade para as empresas de captar o profissional certo, mas sim de achar o executivo que tenha todas as competências exigidas por esses novos cargos”, explica o consultor de executive search. “O Brasil agora esta acordando, e dando mais ênfase em cursos administrativos e financeiros”, comenta.

O conselho de Jeffrey para engenheiros agronômicos, zootecnistas, veterinários e outros profissionais com graduação em profissões ligadas ao agronegócio é buscar especialização na área financeira, imobiliária ou de seguros. Para esses profissionais, ele acrescenta, o domínio da língua Inglesa também é essencial, já que boa parte dos cargos mais valorizados é oferecida por multinacionais e grandes investidores globais.


* Com divulgação

 

SRB