Empreendedores ambientais ganham prêmio de R$ 1 milhão

07/08/2012 19:38

 

O conceito de empreendedorismo saiu da economia e invadiu a esfera ambiental. Pessoas com ideias criativas e inspiradoras para proteger a biodiversidade agora são chamadas de empreendedores da conservação. E já têm até um prêmio que celebra as melhores iniciativas.

O programa E-Cons (Empreendedores da Conservação) escolheu seis lideranças para dividir R$ 1 milhão em seus projetos de preservação.

"É uma nova abordagem. Valoriza indivíduos com ações inspiradoras e com potencial de se expandir e ter desdobramentos concretos", explica Clóvis Borges, diretor executivo da ONG SPVS (Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental), que comanda a iniciativa junto com o HSBC.

Foram escolhidos projetos de todo o Brasil, nos biomas cerrado, Amazônia, Pantanal e caatinga. Por suas características, a mata atlântica tem dois vencedores, sendo um na categoria urbana.

Manter a floresta de pé e preservar espécies nativas em algumas regiões do país é um desafio. A conservação esbarra em interesses econômicos e, não raro, no próprio desconhecimento dos moradores.

São essas as barreiras que a bióloga Bianca Reinert, uma das premiadas na mata atlântica, luta para eliminar.

  Editoria de arte/folhapress  
IDEIAS QUE SALVAM Iniciativa prêmia pessoas com projetos inovadores e potencial de inspirar outros para ação ambiental
IDEIAS QUE SALVAM Iniciativa prêmia pessoas com projetos inovadores e potencial de inspirar outros para ação ambiental

BICUDINHOS

Apaixonada pelo estudo de aves, ela se encantou por um pássaro exclusivo de parte do Paraná e de Santa Catarina: o bicudinho-do-brejo, ameaçado sobretudo pela destruição de seu habitat.

Para tentar salvar a ave, Bianca investiu no estudo da espécie e fez mestrado e doutorado sobre ela. O entusiasmo pelo bicho acabou contagiando outros pesquisadores, os quais, por influência da bióloga, também se dedicaram ao estudo do bicudinho.

Em 2009, ela e outras quatro pessoas compraram uma área na região de Guaratuba (PR), um dos pontos com maior concentração do passarinho, e a transformaram em RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural). Incentivados pela iniciativa, quatro proprietários vizinhos também fizeram o mesmo.

"Eu expliquei que, para salvar o bicudinho, eles não precisavam fazer nada além de conservar. E, se sem apoio a resposta já tem sido muito boa, eu acho que agora, com o prêmio, as chances de que isso se multiplique são muito grandes", diz Bianca.

A também paranaense Terezinha Vareschi seguiu caminho parecido. Vencedora na categoria mata atlântica urbana, ela mora em uma área de 36 mil m² de mata nativa em plena Curitiba.

Ela decidiu ignorar a pressão da especulação imobiliária e transformou seu terreno em área de proteção. Em 2011, criou com outros proprietários a Apave (Associação dos Protetores de Áreas Verdes Relevantes de Curitiba e Região Metropolitana), que se reúne para discutir e cobrar soluções para incentivar os proprietários a preservarem as áreas de mata restantes.

Preocupado com a matança de lobos-guarás por parte de fazendeiros, irritados com as constantes invasões que esses animais fazem a seus galinheiros, o biólogo Jean Pierre Santos, vencedor da categoria cerrado, usou a criatividade para tentar resolver o problema.

ORDEM NO GALINHEIRO

Ele desenvolveu um modelo de galinheiro diferente, praticamente à prova de lobos-guarás. Com isso, as mortes dos canídeos foram sensivelmente reduzidas. O novo galinheiro já é replicado em várias outras localidades.

Na caatinga, Weber Andrade de Girão e Silva tenta salvar outro animal, o soldadinho-do-araripe -passarinho, endêmico da chapada do Araripe, no Nordeste. Há 15 anos, ele se dedica à conscientização de moradores e à preservação das áreas de florestas e nascentes de rio onde os bichos se reproduzem.

Além de atrair outros pesquisadores e proprietários rurais para a causa, ele também foi um dos responsáveis por colocar o soldadinho na bandeira da região.

No Pantanal, o tráfico de animais silvestres é uma das maiores ameaças, e o papagaio-verdadeiro, uma das maiores vítimas. A vencedora no bioma, a zootecnista Gláucia Seixas, comanda há 15 anos um projeto para preservar a espécie em seu ambiente natural. Ao longo do tempo, outras espécies foram sendo incorporadas.

Por acreditar que o desmatamento é, em sua raiz, um problema de educação, o biólogo Silvio Marchini, vencedor na Amazônia, criou em 2002 a Escola da Amazônia.

O projeto já atendeu mais de 2.000 crianças no chamado arco do desmatamento, uma das áreas mais críticas de destruição da mata.

Além de conscientizar os jovens sobre a importância social e econômica de manter a floresta de pé, Marchini está envolvendo pessoas de outras regiões, chamando a atenção para a situação da conservação no bioma.

"Todos os escolhidos já fazem a diferença. Agora, esperamos que, com a verba e a divulgação do E-Cons, eles consigam ir muito além. Porque todas as inciativas têm condições de estourar e ir bem além", afirma Clóvis Borges, da SPVS.

 

Fonte: Folha on line 

GIULIANA MIRANDA

DE SÃO PAULO