Ciência maluca: pesquisadores lançam kit cirúrgico que permite criar baratas teleguiadas

10/06/2013 19:59

Próximo projeto da Backyard Brains

Fato: eu vou morrer sem ter visto até onde a mente humana pode chegar. Os cientistas responsáveis pela Backyard Brains, Greg Cage e Tim Marzullo, já eram conhecidos por terem sido os corajosos (ou loucos o bastante) a desenvolverem um kit capaz de instalar uma espécie de controle de remoto em baratas: chamado de RoboRoach, ele consiste em um conjunto que pode ser controlado via smartphone, de modo a permitir qualquer um que não tenha nojo de caçar insetos a ter suas próprias baratas teleguiadas.

Eles já vendem o RoboRoach há algum tempo, mas agora o projeto entrou no Kickstarter de modo a permitir sua produção em massa.

 

O experimento digno do Dr. Frankenstein consiste do seguinte: as antenas das baratas são extremamente sensíveis, extensões do cérebro que ela usa para navegação ou para detectar cheiros. Através de uma pequena cirurgia com anestesia (sim, ainda tem essa), pequenos cabos são ligados diretamente às antenas dos insetos. Após isso uma pequena “mochila” com eletrodos é colocada nas costas da barata e ligada ao cabos.

Através de comandos disparados por um smartphone, a mochila manda pulsos elétricos para as antenas, o que desencadeia uma reação nos neurônios contidos nas extensões, que por sua vez enviam ao cérebro primitivo da barata uma informação interpretado como se houvesse uma parede à frente. Resultado: ela muda de direção.

Agora o kit foi para o Kickstarter em busca de financiamento, e até o presente momento já levantou US$ 665 dos dez mil pretendidos.

gogoni-barata

O intuito da Backyard Brains é estimular o interesse em neurociência nos mais jovens, e atesta que o kit “não é um brinquedo” e muito menos um instrumento de tortura (se bem que acho que o PETA não se interessa muito por animais que não sejam fofinhos), mas sim uma ferramenta de estudo séria. Entretanto há um vídeo antigo no canal da empresa que mostra o procedimento cirúrgico para instalar o kit, e já aviso: não assista logo após almoçar. Eu consigo ver que o projeto em si é útil e pode sim incentivar crianças a se interessarem pela ciência, vencidos o asco e nojo inicial, coisa que eu não consigo nem de longe.

Fonte: Engadget.