Com apoio do Estado, estudantes garantem especialização e definem futuro profissional

27/03/2013 21:33

 

Logo

Campo Grande (MS) – Uma parceria entre o governo do Estado, Embrapa Gado de Corte, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e a Prefeitura de Campo Grande possibilitou para 19 estudantes com ensino médio completo a oportunidade de um futuro promissor. Após um ano de estudos através do Programa Agroescola, os alunos se formaram e nesta quinta-feira (14) foram recepcionados pelo governador André Puccinelli e pela vice-governadora, Simone Tebet.

“Desejo sucesso a todos vocês e esperamos que cada vez mais se orgulhem do nosso Estado”, disse o governador aos recém-formados. Na ocasião, o governador entregou aos estudantes um kit com materiais e informações sobre Mato Grosso do Sul.

Presente na reunião, o diretor-presidente da Fundect, Marcelo Santos Turine explicou que durante um ano os alunos de cursos técnicos agrícolas do Estado participaram na Embrapa deste programa. “Hoje eles são especialistas em agropecuária. Eles foram selecionados por meio de edital da Fundect e ganharam especialização. Outro edital será aberto para seleção de mais candidatos”, informou. Serão disponibilizadas 30 vagas no edital que será aberto ainda este mês.

O programa Agroescola foi dividido em cinco especializações – Pastagens, Sanidade Animal, Melhoramento Animal, Sistema de Produção e Ovinocultura. Cada especialização contou com 360 horas/aula. Cada aluno recebeu ainda uma bolsa auxílio do governo do Estado no valor de R$ 550.

Pela parceria, como explica Marcelo Santos Turine, o governo do Estado por meio da Fundect fez a seleção dos alunos, concedeu a bolsa e deu apoio logístico. A Embrapa repassou todo o conhecimento técnico; a UFMS ficou responsável pela certificação e reconhecimento do curso e a prefeitura municipal auxiliou na alimentação dos estudantes.

Futuro

A formatura realizada ontem (13) durante a abertura da 8° edição da Dinâmica Agropecuária (Dinapec), na unidade da Embrapa na Capital representa mais um passo para a oportunidade do primeiro emprego. De acordo com o diretor-geral da Embrapa Gado de Corte, Cleber Soares, boa parte dos estudantes foi convidada para trabalhar em empresas ligadas à cadeia produtiva agropecuária. “É um curso com se fosse uma pós-graduação para o ensino médio. Esse curso no currículo é sem dúvidas um cartão de visita que todos queriam ter”, ressaltou.

Conforme Cleber Soares, pelo menos dois alunos já foram chamados para trabalhar numa empresa de agronegócios na Venezuela. Outro estudante contratado já se mudou com a família para o sul do País. “Muitos foram contratados por empresas e outros também passaram em diversos vestibulares. O MEC vem olhando esse tipo de ensino para ampliar no Brasil”, informou.

“Um divisor de águas”, definiu o jovem Willian Vaniel Alves, de 18 anos. Foi no curso que o estudante optou em prestar vestibular para o curso de Veterinária na UFMS. A certeza da escolha da profissão veio durante as aulas no campo. “Entrei no curso para ver o que queria fazer. E o mercado precisa de gente especializada. Adquiri conhecimento e hoje acredito que sou capaz”, destacou.

O ex-aluno da Escola Municipal Agrícola Arnaldo Estevão de Figueiredo, em Campo Grande, está confiante no futuro e acredita que o curso trará retorno. “O governo incentivando a gente não está gastando dinheiro, mas investindo no que com certeza vai dar retorno. Estamos aptos a trabalhar em qualquer empresa e esse retorno será para o estado ou em qualquer lugar do País”, ressaltou Willian.

A mesma opinião é compartilhada pela estudante Karoline Pereira, de 20 anos. Ex-aluna do curso técnico da Escola Estadual Joaquim Domingos, de Nova Alvorada do Sul, ela não sabia qual área ia escolher para o futuro. Foram nas aulas práticas que ela decidiu a profissão de zootecnista.  “Esse curso deu um norte para o que eu queria fazer. Hoje estou cursando Zootecnia e faço estágio na Embrapa na área de manejo e conservação de pastagens”, contou.

Para a estudante, o currículo é outro após a conclusão o curso do Programa Agroescola. “Um curso como esse é importante para dar o apoio técnico a produtor. Com certeza o meu currículo ganhou peso como diploma da UFMS e Embrapa. Não é todo mundo que acredita e investe na gente. É um grande incentivo”, salientou Karoline.

A reunião também contou com a secretária de Produção, Tereza Cristina Correa da Costa.