Bezerro no seu pico de preço

07/10/2015 12:43

Cotação subiu 80% no período de 2,5 anos, segundo Zootecnista Gustavo Aguiar, da Scot Consultoria

Portal DBO
Denis Cardoso, de Ribeirão Preto

O bezerro atingiu, em valores reais (deflacionados), o seu pico de preço ou está bem próximo do teto máximo para este ciclo pecuário. É o que acredita o zootecnista Gustavo Aguiar, analista da Scot Consultoria, que apresentou a palestra “Qual é o limite da escalada de preços do bezerro para este ciclo?”, realizada neste dia 30 de setembro, durante o evento Encontro dos Encontros, em Ribeirão Preto, SP, promovido pela Scot.

“Então quer dizer que o valor do bezerro tende a cair ladeira abaixo daqui para frente?” Não, afirma Aguiar, que acredita que os preços da categoria continuarão firmes neste ano e também em 2016, seguindo tendência semelhante projetada pelos analistas da Scot para o boi gordo (veja notícia neste portal “Boi gordo se manterá forte”). “O bezerro ainda deve manter cotações boas ao criador em curto e médio prazos”, afirma Aguiar, acrescentando que a oferta restrita de animais de reposição ao mercado vai garantir a estabilidade na cotação no período.

No entanto, continua o analista, 2015 representa o terceiro ano de alta para o boi e outras categorias animais. “As fases do ciclo têm duração média de quatro anos, ou seja, sob este prisma, estamos próximos de uma virada de ciclo pecuário, o que pode ocorrer a partir de 2017”, avalia. Nesse sentido, o zootecnista Alex Santos Lopes, também analista da Scot Consultoria, recomenda a venda do bezerro desmamado o quanto antes (ou no máximo até a próxima fase de desmama, a partir de maio de 2016), para aproveitar a boa fase do mercado. “Não vale a pena correr o risco de segurar o animal na fazenda; é preciso realizar o lucro”, alerta o analista, que apresentou, também na quarta-feira, a palestra “Qual a melhor época para vender o bezerro”?

No telhado - Na avaliação do analista, há uma grande resistência por parte do recriador em pagar os atuais patamares de preços do bezerro, diante da relação de troca bastante desfavorável para quem não atua no sistema de cria. “Isso tende a limitar novos aumentos para a categoria”, enfatiza. O histórico recente de evolução de preço do bezerro impressiona. Segundo palavras de Aguiar, o bezerro “subiu no telhado”, ou seja, atingiu, em termos reais (descontada a inflação), a cotação mais alta desde o início do Plano Real.

No período de janeiro de 2013 a setembro de 2015, o valor real do bezerro desmamado (6@) subiu 82% em São Paulo, enquanto o boi gordo teve alta de 47,6%. No mesmo período, a inflação medida pelo IGP-DI acumulou alta de 16%. “Portanto, nesse intervalo de cerca de 2,5 anos, o bezerro subiu duas vezes mais que o boi e cinco vezes mais que inflação”, compara Aguiar.  

Fonte: Portal DBO