A qualidade da carne de coelho

14/11/2015 16:10

   Nos tempos atuais, uma das grandes preocupações da população mundial tem sido relacionada à alimentação, principalmente com os níveis de colesterol. Profissionais da área da saúde freqüentemente recomendam dietas com baixos teores deste lipídeo, de energia e de ácidos graxos saturados para reduzir o risco de doenças do coração. São recomendadas também, dietas com um bom equilíbrio entre proteína, minerais e vitaminas.

   Uma das opções de alimentação, onde a relação ácidos graxos saturados/ácidos graxos insaturados é menor, é a carne de coelho, quando comparada com a carne bovina. A carne de coelho tem uma menor quantidade de colesterol (50 mg/100 g produto) em comparação à carne bovina (140 mg/ 100 g). A relação ômega 6/ômega 3 é de 5,9, sendo próxima à relação necessária destes lipídios para um homem de 70 quilos, que é de 5. Apresenta também boa quantidade de proteína (25,50%) em relação à bovina (18%).

   A carne de coelho é notoriamente apreciada por suas propriedades nutricionais e dietéticas: a carne é magra e os lipídeos são altamente insaturados (60% do total de ácidos graxos), sendo ainda pobre em sódio, porém, rica em potássio, fósforo e magnésio.

Qualidade de carne não inclui somente as propriedades nutricionais como as proporções de proteínas, lipídeos, vitaminas e minerais, mas também as características sensoriais como cor, odor, maciez, os fatores tecnológicos como o processamento, e também aspectos de como o animal foi criado, condições de bem-estar e impacto da produção animal sobre o meio ambiente. Os principais critérios considerados pelos consumidores de carne de coelho para um maior consumo são:

   Saúde: os consumidores querem informações de como esses animais foram criados, se fizeram o uso ou não de promotores de crescimento, uso de antibióticos com a possível presença de resíduos na carne; bem como as condições de armazenamento e processamento da carne e programa de higiene adotado;

Propriedades Sensoriais: são importantes para e escolha do consumidor, incluindo a aparência (cor e consistência da carne), textura (tenro e suculento) e odor (sabor e aroma), o que depende muito do tempo e das condições de estocagem.

   Preço: talvez seja esse um dos maiores fatores da aceitação ou não da carne de coelho no mercado consumidor. No Brasil, diferentemente da Europa, esta carne tem preço elevado em relação às demais carnes, sendo muitas vezes considerada como “elitizada”.

   Como em outros animais, a qualidade da carne de coelho pode ser melhorada através da manejo que engloba os cuidados com a criação, controle da temperatura ambiente, da alimentação, do abate, entre outros.

 

Download do arquivo em .pdf clique aqui

       

        Por: Andréia Fróes Galuci Oliveira

        Zootecnista, Pós doutoranda – UEM